15 dezembro 2017

Parcial

Adiamento da votação da reforma previdenciária para depois do carnaval é derrota parcial do governo Temer. Um ponto de destaque na agenda da resistência popular de 2018. 

Lesa pátria

A suspensão do pagamento de R$ 1 trilhão das petroleiras internacionais em tributos devidos é crime de lesa pátria. Temer não tem limites. Impõe-se a defesa da Nação - nas redes e nas ruas.

14 dezembro 2017

Batalha prolongada

A corrupção e a chantagem não for o suficientes: votação da reforma previdenciária fica para fevereiro. Até lá é preciso aumentar a resistência nas ruas e nas redes.

13 dezembro 2017

Uma crônica para descontrair

Palavras fora de lugar 
Luciano Siqueira


Esforçado, arisco, curioso – se é livro, ele traça; debate não perde um, nem que seja sobre a educação de crianças no Japão ou a interferência do estresse no ciclo menstrual. E assim vai amealhando conhecimento sobre temas vários, padecendo, entretanto, de uma enorme dificuldade de concatenar as ideias. E as palavras.

Aliás, palavra que mereça ser pronunciada pelo dito cujo tem que ter sonoridade e um traço de raridade. Uma óbvia vocação para sucessor do Marquês de Pombal, que tanto se esforçou para recuperar termos em desuso.

Certa vez eu me referia a Miguel Arraes e ouvi aquela voz grave: “Um ínclito homem!”. Paulo Maluf, no outro extremo, dele mereceu a qualificação de “energúmeno!” Com exclamação. 

No meio de uma campanha eleitoral o encontro em cima do palanque e pergunto por que não o via nas atividades de rua: “Um interregno estratégico, líder, que, com efeito, resultará num contra-ataque tático específico e sobejo.” Claro que não entendi por que a sua ausência em algumas caminhadas teria sentido estratégico, muito menos o que vinha ser “contra-ataque específico e sobejo”. 

Pois bem. O tempo passou, nunca mais o vi, julgava-o em terras distantes, talvez levado pelo desejo de figurar em algum sodalício lítero-cultural, tipo Academia de Letras do Município de Ribeirão das Almas, coisa assim. Mas eis que o encontro na Livraria Siciliano, em São Paulo, alentado volume à mão (que preferi não olhar o título, já me prevenindo de uma indecifrável resenha). Fiz que não o reconhecia, num gesto que minha mãe classificaria como falta de caridade. Mas fui reconhecido e, como estava só, tive o desprazer de sua ilustrada companhia:

“- Excelência, quanto tempo! Apresento-lhe minhas congratulações pela conquista do pódio no último pleito e renovo meus pretéritos e sempre congruentes votos de confiança em vossa inexorável atuação. E pergunto: em que consonância pretende legislar, em se tratando de um parlamentar filosoficamente nutrido por uma teoria científica que, conforme meus alumiados estudos, tem na contemporaneidade o seu apogeu?”

- Só conversando com calma, amigo. Comprometi-me com um conjunto de temas, tendo como referência a ideia de um novo projeto nacional de desenvolvimento...

"- Ora, nada mais edificante do que tamanha pretensão, de valoração insofismável e ao mesmo tempo profícua e, por que não?, assaz inovadora, pois que um novo projeto direcionado à Nação tendo como mola-mestra o desenvolvimento quiçá...”

Não o deixei continuar. Mirei o relógio, um compromisso imediato salvou-me de tão “insólito colóquio” (uso a expressão naturalmente em homenagem ao meu insigne interlocutor). Despedi-me prometendo que marcaríamos um encontro caso ele visitasse a terra natal. Pura falsidade, pois no íntimo, bem desejo que a egrégia personagem não retorne ao Recife tão cedo. Para que as palavras permaneçam em seu devido lugar. E as ideias também.


Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

Meio bilhão

Prefeitura do Recife paga o 13° sexta-feira próxima (15) e o salário de dezembro dia 28. Com o salário de novembro, pago no último dia 1°, meio bilhão de reais são injetados na economia local  em apenas 28 dias.

E o chefe?

Advogados de Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima – acusados de formarem quadrilha junto com Temer – pedem ao STF que pare o andamento de denúncia alegando a exclusão do chefe por decisão da Câmara dos Deputados. Faz sentido.

Agilidade

Tribunal da Lava Jato marca julgamento de Lula para 24 de janeiro. Tramitação excepcionalmente rápida, mirando as eleições presidenciais. 

12 dezembro 2017

Pau a pau

Temer combina com grandes empresários a pressão sobre os parlamentares pela reforma previdenciária. A resistência nas ruas e nas redes contra a reforma precisa crescer.

Fio da meada

No embaralhado jogo de forças políticas em Pernambuco, a demarcação de campos se fará pelas propostas programáticas. Mais do que o passado, pesará a visão de futuro.

Além da realidade

Cada um com seu sonho, possível ou não
Luciano Siqueira, no portal Vermelho e no Blog da Folha

O sonho é livre, fundado na realidade ou não. Ou no tempo. Como nesses últimos dias do ano que finda, quando manda a tradição fazer planos para o futuro, ainda que no horizonte limitado do ano vindouro.

Certa vez Millor Fernandes, numa coluna “livre pensar é só pensar”, escreveu que uma das ironias da vida é que quando crescemos, nos tornamos adultos, temos emprego e salário, já não queremos comprar um imenso saco de bombons!

Ou seja, a criança a quem os pais negam a quantidade (exagerada) de bombons desejada, constata que a ameaça que fizera há 18 a 20 anos atrás já não tem sentido.

Mas há adultos, como um tal Elon Musk, bilionário fabricante de foguetes, que simplesmente quer colonizar Marte em 10 anos!

Ele fala sério, conforme atestam diversos órgãos da imprensa norte-americana. Tanto que o cara controla duas poderosas empresas de TI e resolveu criar a SpaceX, que constrói foguetes e alimenta o sonho planetário do seu dono.

Na política também é assim. Há sonhos para todos os gostos – sérios ou delirantes. De objetivos estratégicos alicerçados na compreensão cientifica da realidade a pretensões que, imediatistas, projetam aspirações tão audaciosas quanto inviáveis.

É que a leitura do curso histórico nem sempre considera toda a gama de variáveis que concorreram para determinado desenlace tido como imprevisível e, por premiar a ousadia, se convertem em falsos paradigmas.

Fernando Collor, por exemplo, venceu as eleições presidenciais de 1989 como se fora um outsider, batendo concorrentes que ostentavam muito mais bagagem e prestígio. Desde então, são recorrentes as tentativas de repetir a proeza, mas sem a menor consideração para o fato de que, então, se iniciava novo ciclo político e as forças tradicionais, digamos assim, se subdividiram em mais de uma dezena de candidaturas.

Em meio à dispersão e à busca pelo novo por parte do eleitorado, no segundo turno se confrontaram Collor e Lula.

As eleições presidenciais de outubro se enquadram no novo ciclo conservador pós-impeachment e, no estado atual, inicialmente comporta múltiplas candidaturas. Porém, em sua essência, em nada se compara ao pleito de 1989.

Agora mesmo, cá na província, já tem gente arrotando poder de fogo que na verdade não tem, no intuito de criar o clima desejado para abocanhar o poder local em peleja cujo cenário ainda não está definido.

Equilíbrio e bom senso não fazem mal a ninguém, mais ainda quando se apoiam na avaliação da real correlação de forças e na boa percepção de tendências no comportamento futuro do eleitorado.

Enfim, nem tanto o mar, nem tanto a terra. Nem a fragilidade do garoto sequioso por se empaturrar de bombons, nem a ousadia do magnata que deseja povoar o planeta Marte. Na política, vale sonhar sim, numa perspectiva dimensionada pela realidade objetiva.


Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

Ilustração: Kandinski

Pressão

Apesar de todo tipo de negociata, Temer e aliados ainda não fecharam a conta e admitem a possibilidade de deixar para fevereiro a votação da reforma da Previdência. da. Jogo duro na lama.

11 dezembro 2017

Gênero e raça

Uma jovem negra no Brasil corre risco 2,2 vezes maior de ser morta do que uma jovem branca, segundo o relatório Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência, da ONU. Fator de estímulo à luta pela igualdade de gênero e raça. 

Fuga

— Amigo, resolvi me alienar, não vejo noticiário na TV, nem leio jornais. No rádio só escuto música.
— Por quê?
— Não aguento essa corja do Temer. É o meu protesto...
— Protesto mudo ninguém ouve, ora!
#diálogospertinentes 

Lama comum

Aliado íntimo de Eduardo Cunha, Marun assume posto estratégico no governo Temer. Tão natural quanto o parto aos 9 meses de gestação. Cunha e Temer são gêmeos.

08 dezembro 2017

Jogo duro

Apesar da cooptação e da chantagem, a dez dias da votação, Temer ainda não tem votos para aprovar reforma da Previdência. Imagine se houvesse forte pressão nas ruas.

07 dezembro 2017

Humor de resistência

Laerte vê a manipulação midiática.


06 dezembro 2017

Vozes da diversidade

A revista ‘Propágulo’ e a construção coletiva das ideias 
Luciano Siqueira, no Blog de Jamildo

Pelas mãos de Pedro, meu neto, aluno da área de comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, conheço a revista 'Propágulo' — sob todos os títulos, uma bela iniciativa.

Começa pelo nome escolhido, tomado da botânica, que sugere a intenção de se multiplicar e de propagar. 

Ótimo projeto gráfico, textos consistentes. 

Tudo sob a responsabilidade de estudantes, que a editam e a mantêm. 

Lembrei-me de pronto do tosco jornal 'Iniciativa', da nossa turma do segundo ano de Medicina da UFPE, nos anos sessenta do século passado. Mimeografado, mas igualmente ousado e feito a muitas mãos por um grupo de colegas sintonizados com o ambiente da época, de resistência ao regime militar e de ânsia por conhecer, opinar e se fazer ouvir. 

Sou um apaixonado pela construção coletiva das ideias, que pressupõe espírito aberto à crítica e ao debate e muita ousadia em subverter verdades supostamente pétreas, imutáveis.

Nada é imutável, como nos ensina a dialética; o repouso é relativo, o movimento é absoluto. Como diria Karl Marx, tudo o que é sólido se desmancha no ar. 

Ainda não li os artigos deste primeiro número da 'Propágulo', passei os olhos rapidamente - pelos textos e pelas ilustrações. Amor à primeira vista. E entusiasmo com o propósito dos seus editores, de "proporcionar uma conversa entre inúmeras vozes que compõem a diversidade presente nas artes visuais".

Isto a partir do ambiente da UFPE, de larga tradução de rebeldia.

Numa cidade como o Recife, que nascida porto, ocupada na exportação de produtos primários para Portugal e Europa, e na importação de manufaturados, fez-se congenitamente cosmopolita.
Desde sempre troca mercadorias e ideias, dialoga com gentes e culturas de todo o mundo. 

Uma das razões para que nossa cidade (e Pernambuco) historicamente tenha sediado revoltas libertárias que marcaram a construção da nacionalidade.

No projeto de Constituição redigido pelo Frei Caneca, na Confederação do Equador, por exemplo, se vê clara influência da Revolução Francesa. 

A despeito disso, desse caráter cosmopolita, construímos uma forte identidade cultural — que se renova incessantemente, preservando, entretanto, suas raízes. A exemplo de Chico Sciense e seus companheiros, que assimilaram o rock e o devolveram ao mundo impregnado do toque do maracatu.

Nos tempos cinzentos que atravessamos, sob a onda obscurantista que se espraia mundo afora, em que o sectarismo, a intolerância e até o ódio conspiram contra o bom e criador debate de ideias, exemplos como o da turma que faz a revista 'Propágulo' devem prosperar. 


Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

05 dezembro 2017

O real e o imaginário

Proporções e perspectivas
Luciano Siqueira, no Blog da Folha e no portal Vermelho

Eu devia ter uns seis anos de idade e exultava quando meu pai me mandava comprar o pão na padaria do seu Antenor, na esquina. Uma aventura, pois imaginava uma distância enorme — embora anos após, em visita à Lagoa Seca, nosso bairro em Natal, me dei conta de que separava nossa casa e a padaria apenas um quarteirão.

Tudo é uma questão de perspectiva, dizem.

E é mesmo.

Tanto que hoje fico sabendo que um asteroide de 5 km vai passar ‘raspando’ na Terra antes do Natal – e já não me assusto tanto com o termo ‘raspando’.

De fato, nos parâmetros da astronomia a distância é medida numa escala quase infinita. Os cientistas chamam ‘perto’ distâncias que a gente sequer consegue imaginar.

O 3200 Phaeton (como é chamado esse asteroide) passará a 10 milhões de quilômetros da Terra!
Ou seja, uma rocha espacial de cerca de 5 km de extensão tirará um “fino” do nosso belo e contraditório Planeta.

Você acha longe? Então anote aí: essa distância é 27 vezes mais perto do que a distância daqui até a Lua. 

A Nasa (agência espacial dos EUA) garante que o 3200 Phaeton é totalmente inofensivo.

Muito diferente é a distância entre o desejo e a realidade na política. Não são poucos os exemplos de pretensões astronômicas alimentadas sobre a base do simples desejo, sem qualquer aproximação com a realidade concreta.

São erros de avaliação e de perspectiva. Em geral por deficiente percepção da correlação de forças.

Quando se contar a história do impeachment da presidenta Dilma, por exemplo, com um mínimo de isenção que o distanciamento no tempo permite, se terá a dimensão exata dos erros táticos cometidos pela força hegemônica em seu governo, o PT, por considerar riscos reais como se fossem semelhantes ao do asteróide.

Os resultados do pleito de 2014 foram lidos apenas parcialmente. A quarta vitória consecutiva na disputa presidencial, em si mesma uma grande conquista, terminou ofuscando a justa avaliação da nova configuração da Câmara dos Deputados e do Senado.

Com o apoio praticamente de um quarto apenas das forças em presença, o PT insistiu numa candidatura própria à presidência da Câmara, meio caminho para a eleição de Eduardo Cunha e todas as consequências que se seguiram.

Observando a trajetória do 3200 Phaeton, numa perspectiva mais ampla, os cientistas fazem inúmeras ilações e formulam novos projetos de pesquisa destinados a elucidar os mistérios que ainda os desafiam na compreensão do Universo.

Sem descortino estratégico amplo, embalados pelo imediatismo reducionista, muitos ainda se debatem com enorme dificuldade de compreender o enigma sociedade brasileira.


Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

Desengano

O assaltante, revólver em punho: 
— A bolsa ou vida!
— Não importa, moço, ambas estão vazias.


[Ilustração: Tela de Gil Vicente]

04 dezembro 2017

Quem?

Aliados avaliam que Meirelles para presidente teria uma dificuldade: não é conhecido. [Quando o povo o conhecer a rejeição será imensa.]

Imponderável

Qualquer palpite agora sobre as eleições de 2018 em Pernambuco tem a mesma chance de adivinhar os números da mega sena. Zero. 

Presunção

Temer diz que apoiará para presidente quem estiver disposto a defender o seu 'legado'. [Ou seja: um candidato suicida.]

03 dezembro 2017

Manu

Manuela chega a 3% no Datafolha. Muito bom para uma pré-candidatura que ainda dá seus primeiros passos.

Na lona

DataFolha: Temer continua apoiado por apenas 5% dos brasileiros. Merecida estabilidade no fundo do poço.

Poesia sempre

Alan Schaller/Instagram
E então, que quereis?
Vladmir Maiakovski

Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
E logo
de cada fronteira distante
subiu um cheiro de pólvora
perseguindo-me até em casa.
Nestes últimos vinte anos
nada de novo há
no rugir das tempestades.
Não estamos alegres,
é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?
O mar da história
é agitado.
As ameaças
e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta
as ondas.
Tradução: E. Carrera Guerra

Leia mais sobre poesia e temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

Drinque


- "Doce ou salgado?"
- "Salgado", porque tomo a água como se fosse vodka..."

A sete mil metros de altura, imaginar não ofende.

Sem ruptura

“Conte conosco”, diz Alckmin a Temer durante inauguração de moradias em São Paulo. Ou seja, saída dos tucanos do governo não muda apoio às reformas anti povo.

02 dezembro 2017

Gêmeos

Alckmin, diz que não fará oposição a Temer. [Nunca fez, ora! A unidade entre eles é programática.]

Compra e venda

Temer diz que trabalha para 'convencer' Congresso a votar reforma previdenciária. [Jogo sujo que custa mais de 14 bilhões em liberação de emendas e benesses fiscais!]

Veneno

Butantan descobre nove novas espécies de aranhas venenosas. [O amigo Epaminondas pergunta: “Aonde? No gabinete de Temer?”]

Ao debate

Uma nova carta de Lula aos brasileiros 'voltada ao povo"? Bom. Pode contribuir para o inadiável debate sobre os rumos do país.

01 dezembro 2017

Polos opostos

Mercado financeiro pressiona base parlamentar de Temer pela reforma da Previdência. Greve geral da terça-feira, 5 será a pressão dos trabalhadores em sentido contrário.  

Em vão

Temer fará agenda em busca de popularidade. [Abordará o povo imitando o carrasco que se diz amigo da vítima].

30 novembro 2017

Uma crônica para descontrair

Leitura de bordo
Luciano Siqueira, no Vermelho

É sempre assim, mesmo em viagens curtas: leio e escrevo sempre. Pelo prazer em desvendar o sentido das coisas e, confesso, para evitar a conversa nem sempre agradável de quem viaja no assento ao lado.

De viajantes incômodos tenho boa experiência acumulada. Tanto que desenvolvi modos próprios de me desvencilhar deles. 

Mas nem sempre com sucesso.

Como da vez que, por descuido imperdoável, admiti ser (ou ter sido) médico. O que me rendeu longa e entediante conversa com a jovem primípara, que me bombardeou com perguntas intermináveis sobre o futuro parto e cuidados com recém-nascidos. 

Ou quando eu lia 'O velho e o mar', de Ernest Hemingway, e o cidadão ao lado, que se dissera missionário evangélico (sem que eu o perguntasse), a ensaiar perguntas sobre a "terceira idade" e as praias do Nordeste!

Diante do meu evidente mau humor, enfim se tocou, cessaram as perguntas impróprias, porém me pediu "um livro para que eu também leia, se o senhor tiver aí". Vinguei-me passando às mãos do dito cujo um exemplar de 'Salário, preço e lucro’, de Karl Marx, que folheou, tentou ler algumas passagens e logo me devolveu.

Pois bem. Melhor mesmo é, tão logo me acomodar na aeronave, sacar da pasta um livro ou o iPad e me dedicar ao prazer solitário da leitura ou da escrita.

Agora mesmo manuseei rapidamente a revista da Gol e a refuguei de pronto.

O manuseio se prende às fotos, muito boas, que ilustram algumas matérias.

O refugo fica por conta da absoluta inutilidade (para mim) dos textos, um misto de "autoajuda" para empresários ou pretendentes a tal e, à guisa de reportagem, propaganda de hotéis e restaurantes de luxo.

Com licença da nostalgia, registro em ata minha saudade dos tempos em que líamos nas revistas de bordo gente como Luís Fernando Veríssimo e outros do mesmo naipe. Ótimas crônicas, puro deleite. 
Hoje em dia parece que os editores dessas revistas nos tratam como leitores frívolos, desprezíveis e meros consumistas. 

Verdadeiro oásis é alguma entrevista ocasional com personagem digno de atenção, como o ator Lázaro Ramos, por exemplo, que pude ler alguns meses atrás.

Feito o registro, dêem-me licença que vou concluir a leitura de 'Sobre a China', de Henry Kissinger e encarar o novo romance de Milton Haroum, 'A noite da espera'.

Boa viagem!


Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

29 novembro 2017

Bom que se esclareça

Estadão: ‘Depoimento no Caso Fifa volta a ligar TV Globo a pagamento de propina.’ [Custa nada investigar, né? No mínimo se esclarecerá o assunto.] 

O prazer da fotografia

Cena urbana: Pão de Açúcar visto de Niterói (Foto: LS) #cenaurbana#riodejaneiro #lucianosiqueira 
lucianosiqueira.blogspot.com

Já era

“Em Pernambuco, quem não é Cavalcanti é cavalgado”. Isso foi antigamente. Hoje a arrogância e a presunção não ganham eleição.

Debate necessário

Entre quem banca e quem precisa
Luciano Siqueira, no Blog de Jamildo/portal ne10

Não se trata de sincronia entre esses dois elementos, antes uma dissonância, abissal dissonância. 
No Brasil de hoje, quem banca é o Mercado; enquanto a nação e o povo é que precisam. Em direções diametralmente opostas.

A lógica do Mercado é a da ultrafinanceirização — mundo afora e aqui. Da ruptura da bolha imobiliária em 2008, nos EUA, aos pesados investimentos dos bancos centrais na Europa para salvar bancos privados e a regressão de direitos visando à redução dos custos de produção e a recuperação da taxa média de lucro e, portanto, da capacidade de reinvestimento. Tudo sob o modelo do enfraquecimento dos Estados nacionais e o borramento de fronteiras soberanas.

No outro extremo, a lógica é a do Estado imprescindível como indutor do desenvolvimento e a inclusão produtiva como fator de redução da pobreza e de valorização do trabalho. Não há solução para a crise global aprofundando o apartheid social.

Esse é o pano de fundo das eleições gerais no Brasil, em outubro de 2018. 

Por enquanto, a dimensão dos problemas e o acirramento das contradições parecem ser maiores do que a capacidade subjetiva das correntes políticas em presença.

Nem a reverberação do passado recente dá conta dos desafios atuais, nem a trama midiática artificiosa. Ferir os problemas centrais e apontar respostas consistentes e factíveis é imprescindível.

Por enquanto, prevalece a dispersão — tanto no campo das atuais forças governistas como na oposição.

Na oposição, sobretudo as pré-candidaturas de Lula (PT), Ciro (PDT) e Manuela (PCdoB) são chamadas a darem um passo adiante na construção de plataformas, que podem se cruzar desde o primeiro turno, ou não.

Entre os governistas, obedientes antes de tudo aos ditames do Mercado, experimentam-se fórmulas discrepantes, que envolvem ensaios de possíveis outsiders a nomes tradicionais do PSDB e do PMDB, que alguns imaginam possa ser o próprio Temer. Ou o seu mentor, o ministro Meirelles.

Alckmin, pelo PSDB, vem insinuando ideário a um só tempo "de direita e de esquerda". Ou, melhor dizendo, um programa frankstein. Ideias que transitam nos interesses antagônicos entre quem banca e quem precisa. Dificilmente colará. 

Uma coisa é atrair forças situadas ao centro como aliadas, fieis da balança do jogo eleitoral. Outra coisa é empolgar o eleitorado com programa centrista numa sociedade a cada dia mais polarizada entre interesses extremos.

O buraco é mais embaixo, como se costuma dizer. E implica amplo debate desde já.

Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

28 novembro 2017

Bobagem

“Alckmin presidirá o PSDB, portanto será o próximo presidente da República” — dizem ‘analistas’. [Ridículo. Falta combinar com o povo, ora!]

Engodo

Na política, o ‘novo’ necessariamente não é o ‘melhor’; depende do conteúdo. Por exemplo, o desistente Luciano Huck. 

27 novembro 2017

Nosso chão

A cada desistência de um suposto outsider, confirma-se que a negação da política no Brasil esbarra na realidade concreta —muito mais dura, instigante e radicalizada do que as frias sociedades europeias.

Humor de resistência

A imagem diz tudo...

Decadente

Com todo respeito à sul-africana Demi-Leigh Nel-Peters, recém-eleita, existe algo mais ultrapassado do que o concurso de Miss Universo?

Fez por onde

Folha de S. Paulo se queixa, em editorial, que a Operação Lava Jato perdeu a aura de ‘intocabilidade’. [Há que se reconhecer que, partidarizada,  inúmeras são as razões para tanto.]

Opressão

“A desigualdade racial não é uma questão de classe, é uma questão de oportunidade “, diz a ‘especialista’. Errado, moça. Justamente a opressão de classe impede oportunidades iguais para todos. 

26 novembro 2017

Poesia sempre

Quase um Poema de Amor
Miguel Torga

Há muito tempo já que não escrevo um poema
De amor.
E é o que eu sei fazer com mais delicadeza!
A nossa natureza
Lusitana
Tem essa humana
Graça
Feiticeira
De tornar de cristal
A mais sentimental
E baça
Bebedeira.

Mas ou seja que vou envelhecendo
E ninguém me deseje apaixonado,
Ou que a antiga paixão
Me mantenha calado
O coração
Num íntimo pudor,
— Há muito tempo já que não escrevo um poema
De amor. 

Leia mais sobre poesia e temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

24 novembro 2017

Crise de perspectiva

Sociedade do desencanto
Eduardo Bomfim

Ao final da década de 90 passada, o historiador britânico Eric Hobsbawm expressou a preocupação na sua obra O breve século XX o temor de que as novas gerações fossem levadas a uma espécie de presente contínuo, sem referências do passado nem a perspectiva de futuro.

De lá para os dias atuais suas previsões mostraram-se corretas, mas as coisas foram bem mais além, porque como diz recente estudo europeu, no século XXI emergiu uma nova constatação: desde o final da Idade Média, pela primeira vez os mais jovens deixam de ter alguma esperança no futuro.

Afirma o referido estudo “o individualismo pós-moderno, a globalização financeira, vêm debilitando o desenvolvimento dos povos”, à exceção de alguns países como a China, com seu grande salto econômico, e a Rússia, como novas potências globais etc.

Na verdade, a civilização ocidental vem mergulhando em uma crise sem precedentes, conduzida a uma fragmentação dos vínculos entre as pessoas, no seio do próprio corpo social, no sentimento de pertencimento a uma comunidade nacional etc.

A globalização financeira, com sua agenda do politicamente correto, negação ao desenvolvimento dos países, vem promovendo ataques contra os estados nacionais e às respectivas sociedades civis, especialmente aqueles com destacado protagonismo como o Brasil, o quinto maior País do planeta, com dimensões continentais, mais de 200 milhões de habitantes, sétima economia do mundo, riquezas naturais estratégicas.

Existe um óbvio processo de tentativa de controle, através da interconectividade das redes, no mundo digital, dos extratos sociais mais propensos à tomada de consciência tanto do presente quanto ao futuro do País, uma clara fratura coletiva pautada pela grande mídia global.

Na promoção do ódio de uns contra todos e todos contra qualquer um, em selvagem canibalismo cultural e ideológico.

Na indução de agendas de grupos destituídas de qualquer horizonte de construto unificado e negação histórica do País, através de movimentos quase sempre financiados por ONGs, como a Open Society do megaespeculador financeiro George Soros. Onde tudo é permeável por um discurso efêmero, mutante e descartável.

Um projeto de Brasil exige, além de propostas concretas, factíveis via soluções políticas amplas, a luta de ideias contra o obscurantismo dos tempos atuais.

Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD 

Contra o povo

Chegam a 14,5 bilhões benesses de Temer para comprar votos de deputados em favor da reforma previdenciária. Contra o povo.

23 novembro 2017

Uma crônica para descontrair

Produtivos lapsos de insônia 
Luciano Siqueira, no Vermelho

Uma velha amiga me confidencia que, quando muito jovem, sonhava em poder dormir até mais tarde sem precisar levar as crianças à escola, no início da manhã.

Agora que a idade chegou e que já não tem crianças em casa, o sono é pouco e rarefeito.

Ou seja, até em matéria de dormir bem tudo tem o seu tempo. Saber lidar com essa estranha cronologia é um desafio.

Creio que pelo hábito de dormir pouco, que conservo desde a adolescência, gastei muito menos horas de sono do que a maioria dos viventes e agora, como uma espécie de punição, dei para sofrer com lapsos de insônia.

Acontece assim. No meio da noite, sem ter nem pra quê, perco o sono por umas duas ou três dezenas de minutos e me deparo com uma espécie de monólogo, com pauta bem definida.

Tem vez que continuo a reflexão do dia anterior sobre um problema de governo, uma questão de ordem política ou teórica que vem me acicatando a mente ou mesmo sobre lances do bom jogo de futebol, que vi na TV.

Os temas até que são prazerosos. Ruim é a sensação de que despertarei no início manhã com a desagradável sensação de que fiquei devendo uma cota de repouso ao meu já sambado corpo e ao sempre irrequieto espírito.

Mas bem que poderia ter uma pauta mais suave. Ao invés de problemas pendentes, quem sabe versos de Neruda, ou de Drummond, ou de Bandeira ou de Mia Couto, ou um trecho de boa crônica de Rubem Braga ou uma canção de Lenine ou Chico.

Não sei por que razão, minha sina é ter os lapsos insones ocupados invariavelmente por temas mais densos ou áridos.

Então, resolvi tirar proveito do estranho fenômeno. A depender do assunto que venha à tona, faço mentalmente o esboço do meu próximo artigo ou crônica. Ou do roteiro de uma intervenção num debate próximo.

Aqui mesmo, confesso a vocês que me brindam com a generosidade de me lerem, vários dos meus últimos textos foram "rascunhados" em plena madrugada, naquele vácuo que antecede a volta ao reino de Morfeu.

Apenas lamento não ter o dom dos poetas para poder dizer, como Carlos Pena Filho: “Lembranças são lembranças, mesmo pobres,/olha pois este jogo de exilado/e vê se entre as lembranças te descobres.”


Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

22 novembro 2017

O prazer da fotografia

Cena urbana: no Museu do Amanhã, RJ, somos todos fotógrafos (Foto: LS) #cenaurbana #lucianosiqueira lucianosiqueira.blogspot.com

Manobra inconsistente

Mudam-se rótulos, mas não o produto
Luciano Siqueira, no Blog de Jamildo/portal ne10

Óbvio que todo partido político é livre para se posicionar como bem entender, inclusive mudando o nome, a sigla, a cor e o símbolo (se tiver).

Mas é no mínimo esquisita a onda (que alguns críticos chamam de camaleônica), que já envolve quase uma dezena de legendas, abertamente justificada (sic) com o intuito de enfrentar o desgaste da forma partido.

Se não muda o conteúdo, alterar apenas o rótulo fica parecendo engodo; tentativa de iludir o eleitor.

Karl Marx dizia que se a aparência fosse igual à essência não haveria necessidade da ciência. Ou seja, sempre se faz necessário ir mais a fundo no exame de uma coisa ou fenômeno para revelar sua verdadeira substância.

No caso desses partidos que se enfileram na mudança de aparência, no Brasil de agora, nem precisa tanto rigor científico.

Alguns acoplam a mudança de nome a uma pretendida candidatura de outsider à presidência da República. Duplo engodo.

No fundo, pretendem — fazendo de contas de que deixaram de ser partidos políticos e se transformaram numa outra coisa, ainda anódina e inominada, ostentando uma espécie de nome fantasia (como se faz com produtos comerciais) — reforçar a campanha de negação da política que grassa no Brasil e mundo afora, na esteira da crise sistêmica (e de perspectiva) que eclodiu em 2008 e não apresenta solução à vista.

O capital monopolista financeiro, que dita as regras, não oferece saída dentro de parâmetros que respeitem o valor do trabalho, os direitos fundamentais das pessoas nem a inserção social produtiva. Cumpre, então, negar a possibilidade de pactos mediados pela política.

E como algumas aventuras deram certo, pelo menos em termos imediatos, como a eleição do atual presidente da França, Emmanuel Macron, aqui crescem os olhos de alguns que, carentes de substrato político e ideológico, se rendem aos artifícios midiáticos e, inclusive, no mundo do espetáculo tentam inventar uma candidatura dos seus sonhos. Criam novos rótulos, mas não o conteúdo.

Resta saber se esse tipo de manobra terá aderência na maioria do eleitorado brasileiro — carente de propostas consistentes e compreensíveis, que lhe renovem a esperança.

Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

21 novembro 2017

Previdência

Governo quer votar reforma da  Previdência até dezembro. Resistir é preciso. Já!

Arrogância & presunção

Devagar com o andor que os tempos são outros
Luciano Siqueira, no Blog da Folha

Cá com meus botões e olhar de modesto, porém vivido observador, causa-me espécie ver pretendentes à disputa majoritária no próximo pleito se apresentarem em público ostentando desmedida presunção.

Um, que almeja presidir o país, reedita a velha e frustrada fórmula de deitar sentença sobre como deve o Nordeste, e Pernambuco em particular, percorrer o caminho da recuperação econômica desconsiderando o lastro alcançado no recente impulso de crescimento - quando dos governos Lula-Eduardo Campos - e insinuando indicativos vagos e descolados de nossa realidade.

Como se completar a integração intra-regional, valer-se do grande volume de capital fixo recém-investido, operar a infra-estrutura moderna e, ao mesmo tempo, retornar às políticas de inclusão social produtiva dependendo quase que somente do desempenho da Bolsa de Valores.

É o que Miguel Arraes criticava como enxergar o Brasil com o olhar da Avenida Paulista. 
Muito distante do que somos e do que precisamos ser, sem a menor sensibilidade para a imensa diversidade regional que marca a sociedade brasileira.

De outra parte, na lide local, a proclamação prévia de postulação vitoriosa (sic) ao governo estadual, a quase um ano da peleja, mostra-se risível. Mais do que isso: um traço de prepotência sob todos os títulos em desacordo com o tempo que vivemos.

Subproduto da múltipla crise que o país atravessa, a descrença e a desconfiança em relação às instituições e instâncias político-partidárias, muitas lideranças inclusive, estamos diante de um eleitor agora arredio e, quem sabe, quando sensibilizado e predisposto a exercer a sua cidadania, estará mais atento a uma indispensável coerência entre a palavra e o ato.

Com o se a retórica supostamente aguerrida fosse suficiente para recuperar o estado das consequências da agenda neocolonialista e socialmente regressiva do governo Temer.

Aliás, a presunção da vitória fácil na pele de quem expressa, no conteúdo e na forma, a imagem do atual governo central não passa disso mesmo: presunção.

Sem querer meter o bedelho no terreiro dos outros, para o bem da democracia e em favor do enfrentamento consistente e responsável dos problemas que afligem o Brasil e Pernambuco, bom seria baixar o tom, clarear as ideias e caminhar com mais respeito aos demais contendores. 

Afinal, quem se dispõe a carregar tão frágeis andores não pode desconhecer obstáculos e oponentes, sob pena de tropeçar na primeira esquina.

Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

Desastre social

Cerca de 30% dos brasileiros com menos de 25 anos estão sem trabalho, pior índice em 27 anos. [Economia não pode seguir sob ditames do mercado financeiro].

20 novembro 2017

Competente e hábil

"Não se combate o crime com jargão de internet"
Folha de S. Paulo, 20.11.17
Confirmada oficialmente neste fim de semana como pré-candidata à Presidência, a deputada estadual Manuela D'Ávila (PC do B-RS), 36, elenca como um dos principais eixos de sua campanha a questão da violência.
Coincidência ou não, tema ligado ao concorrente que gravita no campo político oposto ao seu, Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Ela diz que as propostas do rival se resumem a "jargões de internet". E defende a candidatura de Lula (PT).
Para Manuela, o juiz Sergio Moro o condenou sem "nenhuma prova". Ela lista ainda algumas de suas propostas na economia -elevação do investimento público e controle de juros e câmbio.
*
Folha - O PC do B nunca teve candidato a presidente no atual período democrático, é o 14º partido na Câmara, governa apenas um Estado e terá tempo mínimo na TV. Acha que tem chance de vencer?
Manuela D'Ávila - Acho que sim, sobretudo em um momento de crise política e econômica tão aguda, o que pode fazer com que as pessoas escolham nossa candidatura.
Temos dois grandes centros. O primeiro é a retomada do crescimento econômico. O outro é a ideia da unidade. Vivemos um período em que a ideia de viver em paz é algo tão importante quanto o controle da inflação foi no início da década de 1990.
Não é só viver em segurança, é viver sem todos os tipos de violência, com qualidade na escola. É ter trabalho.
Em caso de vitória, o que faria de diferente em relação aos anos do PT?
O tema da indústria 4.0, por exemplo, é algo diferente. Podemos nesse novo ciclo pensar na indústria de uma outra forma, mais ousada. Tudo que junta emprego de mais qualidade, inovação.
Também trabalharia com mais centralidade o tema da violência urbana e a ideia de que é preciso garantir paz para as pessoas trabalharem, estudarem e pensarem suas vidas.
Participamos daquelas experiências, elas construíram muitas transformações no Brasil e a gente tem orgulho disso. Mas não existe como pensar repetir em 2019 algo que começou em 2002. Tivemos entre 2002 e 2019 dez anos de uma das maiores crises da economia no mundo.
Caso Lula seja condenado em segunda instância, a sra. defende que seja aberta uma exceção para que ele possa se candidatar?
Eu defendo que o presidente Lula receba o tratamento que defendo para todos os brasileiros. Que as pessoas só sejam condenadas quando provas forem apresentadas. Todo o processo de julgamento dele é construído com uma base não sólida. Não há nenhuma prova.
A sra. acha que a sentença do juiz Moro foi equivocada?
Não há provas. Não sei o que vai acontecer lá [na segunda instância] e não gostaria de comentar o futuro. O que acho é que a eleição sem o Lula seria um episódio de agravamento da crise política.
Descarta abandonar a sua candidatura para fazer uma aliança com o PT, como vice?
Não descarto absolutamente nada, em nenhuma dimensão da minha vida. Aprendi que precisamos estar abertos às possibilidades. Isso significa que minha candidatura não é para valer? Não. Minha candidatura foi construída porque acreditamos que temos saídas para o Brasil.
Aceitaria apoio dos que trabalharam pelo impeachment de Dilma?
Em 2018 é o momento de debatermos o futuro do Brasil. Meu partido tem muito claro que ocorreu um golpe em 2016. Não só pelo impeachment, mas porque o programa que venceu as eleições foi rasgado. Mas não podemos viver eternamente amarrados a 2016, o Brasil vive uma crise severa.
Embora diga não ter tratado diretamente com a sra., um dos delatores da Odebrecht diz ter repassado valores para campanhas suas, "de maneira oficial e não oficial". A sra. os solicitou?
Eu recebi oficialmente ajuda dessa empreiteira. Tem oficial e eu que pedi. Era a regra da eleição brasileira.
Ele pediu alguma forma de contrapartida?
Não, tanto que nem está no âmbito da Operação Lava Jato, está no Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Não teria o que pedir e não pediria.
Pretende ser a candidata antagonista a Jair Bolsonaro?
Todos os candidatos com propostas democráticas para o Brasil e saídas para a crise são antagônicos às candidaturas que não apresentam saídas para a crise. Existem pessoas que tentam aglutinar sentimentos que precisamos superar nas eleições, sobretudo medo e ódio. Fomentar medo e ódio no povo brasileiro não resolverá os problemas que vivemos. Acho que temos outras pautas para tratar no país diferentes das que ele [Bolsonaro] sugere. Eu quero debater segurança pública de verdade. Com reflexões sobre o papel dos policiais, como eles podem ser valorizados, como podemos devolver a legitimidade das polícias para o povo mais pobre, como podemos combater o extermínio de jovens negros. E a gente não vai fazer isso repetindo jargão de internet, né?
A sra. propõe referendos sobre a reforma trabalhista e a proposta que congelou os gastos federais. O Congresso não representou a vontade popular nesses casos?
São matérias relevantes para serem discutidas como foram, sem um mínimo pacto com a população. Não fizeram parte de nenhum programa de governo. Surgiram em um governo sem legitimidade.
Qual será a política econômica de um eventual governo do PC do B?
Queremos discutir juros, câmbio, planos de obras públicas. O Brasil tem a tradição de baixos investimentos privados. Então o investimento público, o Estado como indutor da economia, é algo que historicamente ocorreu nos nossos melhores ciclos econômicos. Juros mais baixos, uma espécie de câmbio controlado. Achamos hoje que os juros e os câmbios não servem ao interesse do povo brasileiro.
A sra. defende alguma mudança na legislação do aborto, trataria de homofobia?
Defendo que o aborto seja tratado como um problema de saúde pública, é a segunda causa de morte materna.
Sobre a homofobia, precisamos criminalizar aquilo que é crime. Mas não acredito que a mera criminalização resolva, precisamos implementar políticas públicas de transformação da cultura.
Mas haverá um embate com a bancada religiosa.
Não acho. Existem representações que são mais radicalizadas do que a base. Acho que o povo evangélico, povo cristão, minha origem é cristã, é um povo que acredita no amor ao próximo.
É o povo que tem como ensinamento máximo a ideia de Cristo com Maria Madalena. Cristo é o homem que acolheu Maria Madalena, o que impediu que as pedras fossem jogadas.
Que lições tira da Revolução Russa?
Como militante do PC do B, a principal lição é a ideia de que não existem modelos para serem seguidos de uma nação para outra.
A Revolução Russa marcou o século passado, é a revolução das artes, da psicologia, dos satélites, pôs
fim ao nazi-fascismo, os russos não jogaram a bomba atômica.
Stálin, os expurgos?
Eu acho sempre algo artificial debater um país sem debater o mundo. Debater o que foi o stalinismo é debater o que foi o nazismo, o que foram Hiroshima e Nagasaki.
Era um mundo de guerras, era um mundo de mortes. E é esse mundo que nós não queremos que volte.
Hoje só cinco países se declaram comunistas. A sra. se espelha em alguns deles?
Eu não me espelho, mas a China hoje é o motor da economia do mundo. Não é espelho, não é modelo, mas acho que temos sempre que buscar referências de transformações positivas.
Mas direitos humanos lá seriam uma referência?
Direitos humanos são um problema do mundo hoje. Como é que vive todo o Oriente Médio sobre as guerras? Como é que tratam os refugiados na Europa?

Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD